Postagens

Mostrando postagens de 2012

FELIZ ANO IGUAL!

Imagem

COM CERTEZA VOCÊ CONHECE ALGUÉM COM ESSE PERFIL...

Imagem

PAPAI NOEL, VELHO BATUTA!

Imagem
Gilberto Freyre (1900-1987) é até hoje considerado um dos maiores pensadores do Brasil e de sua gente. 
Aos 26 anos, sete antes de publicar Casa-Grande & Senzala, o jovem decidiu defender uma causa. Lançou o Manifesto Regionalista, publicado somente em 1952. O texto atacava a aceitação cega de “novidades estrangeiras”. 
Entre estas estaria “esse carnavalesco Papai Noel que, esmagando com suas botas de andar em trenó e pisar em neve as velhas lapinhas brasileiras, verdes, cheirosas, de tempo de verão, está dando uma nota de ridículo aos nossos natais de família, também enfeitados agora com arvorezinhas estrangeiras mandadas vir da Europa ou dos Estados Unidos pelos burgueses mais cheios de requififes e de dinheiro”. 
Mas, apesar dos esforços do sociólogo, no fim das contas venceu o personagem do Polo Norte.

20 DE NOVEMBRO: DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Imagem
Como surgiu o Dia da Consciência NegraNo dia 20 de novembro de 1695, o negro Zumbi, chefe do Quilombo dos Palmares, foi morto em uma emboscada na serra Dois Irmãos, em Pernambuco, após liderar uma resistência que culminou, também, com o início da destruição do Quilombo.
O Quilombo dos Palmares foi uma comunidade criada pelos escravos que fugiam de seus senhores para viver em liberdade. Houve uma época em que o Quilombo abrigou mais de 20 mil pessoas.

Zumbi nasceu no Quilombo mas, ainda recém-nascido, foi capturado e entregue a um padre, que lhe deu o nome Francisco, o ensinou a ler e a escrever. Aos 15 anos de idade, o menino resolveu voltar ao Quilombo, onde, pouco tempo depois, tornou-se líder. Em 1995, após 300 anos de sua morte, Zumbi foi reconhecido como herói nacional.
As rebeliões de escravos foram bastante freqüentes no período colonial. Os negros fugidos escondiam-se na mata e organizavam-se em grupos, para sobreviver à hostilidade do ambiente e às investidas dos brancos.

Os grup…

BANCO DE QUESTÕES DE VESTIBULAR SOBRE AS REVOLTAS NATIVISTAS E AS REVOLTAS SEPARATISTAS NO BRASIL COLONIAL

Imagem
1. A elevação de Recife à condição de vila; os protestos contra a implantação das Casas de Fundição e contra a cobrança de quinto; a extrema miséria e carestia reinantes em Salvador, no final do século XVIII, foram episódios que colaboraram, respectivamente, para as seguintes sublevações coloniais: a) Guerra dos Emboabas, Inconfidência Mineira e Conjura dos Alfaiates. b) Guerra dos Mascates, Motim do Pitangui e Revolta dos Malês. c) Conspiração dos Suassunas, Inconfidência Mineira e Revolta do Maneta. d) Confederação do Equador, Revolta de Felipe dos Santos e Revolta dos Malês. e) Guerra dos Mascates, Revolta de Felipe dos Santos e Conjura dos Alfaiates.

2. "A confrontação entre a loja e o engenho tendeu principalmente a assumir a forma de uma contenda municipal, de escopo jurídico-institucional, entre um Recife florescente que aspirava à emancipação e uma Olinda decadente que procurava mantê-Io numa sujeição irrealista. Essa ingênua fachada municipalista não podia, contudo, resistir a…

A MODA DOS ANOS 2000 SEGUNDO OS ANOS 30

Imagem

BANCO DE QUESTÕES DE VESTIBULAR SOBRE O BRASIL COLONIAL (PRIMEIROS ANOS)

01. (Fuvest-SP) Os primitivos habitantes do Brasil foram vítimas do processo colonizador. O europeu, com visão de mundo calcada em preconceitos, menosprezou o indígena e sua cultura. A acreditar nos viajantes e missionários, a partir de meados do século XVI, há um decréscimo da população indígena, que se agrava nos séculos seguintes. 

Os fatores que mais contribuíram para o citado decréscimo foram:

a) a captura e a venda do índio para o trabalho nas minas de prata do Potosí. b) as guerras permanentes entre as tribos indígenas e entre índios e brancos. c) o canibalismo, o sentido mítico das práticas rituais, o espírito sanguinário, cruel e vingativo dos naturais. d) as missões jesuíticas do vale amazônico e a exploração do trabalho indígena na extração da borracha. e) as epidemias introduzidas pelo invasor europeu e a escravidão dos índios.


02. (UFMG) Leia o texto. “A língua de que [os índios] usam, toda pela costa, é uma: ainda que em certos vocábulos difere em algumas partes; mas não de …
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...